quarta-feira, 18 de maio de 2011

Beatriz e mamãe Monica em (parte 3) em: Prematuro, a luta pela vida

 Setenta e seis dias depois do nascimento, dia 1º de agosto de 2009, tivemos alta. Daniel nos deixou em casa e saiu para buscar o aquecedor que encomendamos e um segundo, emprestado. Sentei na ponta do sofá com aquele embrulho cor-de-rosa de 2,400kg e chorei. Chorei copiosamente. E agora? Não sabia ser mãe e não sabia ser UTI.


17 meses

Mas as coisas foram se encaixando! Passei o primeiro mês dentro do quarto. O frio do inverno curitibano me aterrorizava. Tentei seguir o protocolo da UTI mas obviamente não consegui. Então passávamos as horas sentadas na cama com dois aquecedores. Eu ficava sem blusa e a colocava deitada sobre meu peito, numa cópia intuitiva do método mãe-canguru. O medo de que ela fizesse uma apnéia sem ter um oxímetro para me avisar era tão grande que nem ao banheiro eu ia. Esperava meu marido chegar às 19h e aí então comia, ia ao banheiro, passeava com a peludinha. Tudo em menos de uma hora.

Comprei um Moisés todo acolchoado para que ela não sofresse um choque indo da incubadora para um berço enorme. Coloquei ao lado da minha cama e dormia de óculos com a luz acesa para checar sua cor. Devido às dificuldades respiratórias, era quase uma hora para mamar cinqüenta mililitros de leite, somados com a troca de fraldas, eu praticamente não dormia. E as mamadas aconteciam à meia-noite, às 3h, 6h...

Não tive ajuda de outra pessoa para cuidar dela, foi uma conjunção de fatores para chegar nesse arranjo. Fiquei cansada, estressada e com vontade de voltar para a UTI. Costumava brincar que estava sofrendo de Síndrome de Estocolmo, estava enamorada de quem me seqüestrou por setenta e seis dias.

A cada esboço de chorinho, eu entrava em pânico! Na primeira vez que cortei sua unha, acabei tirando uma lasquinha de pele. Que terror! Liguei para Daniel, para meus pais, para a UTI, para a pediatra e por fim não me agüentei, chamei o serviço de ambulância que havíamos contratado! Óbvio que meu desespero virou piada...

Beatriz ganhou peso muito rápido. Com oito meses já tinha entrado no gráfico de peso e altura. Começou a natação aos sete meses, sentou aos nove, engatinhou aos dez, caminhou aos 15. Não ficou com seqüelas aparentes até o momento. Teve uma gripinha, uma dor de barriga e teve febre só uma vez, por causa da roséola.

No Paraná não fornecem o anticorpo contra a bronquiolite gratuitamente, então através de uma ação na Justiça Federal, conseguimos o fornecimento do medicamento. O tratamento completo custa cerca de setenta e cinco mil reais. Fomos procuradas para dar entrevistas a respeito e pensei, porque não passar esta informação adiante? Com algumas amigas montei o I workshop em Curitiba, demos o nome de Projeto Pequenos Guerreiros. Os workshops acabaram ficando inviáveis sem patrocínio e acabei resolvendo focar num blog que concentrasse informações sobre prematuros. Lançamos também um livrinho infantil que conta a história de uma menininha que vê seu irmão nascer prematuro. Uma história simples para ajudar os menores de cinco anos a lidar com o sumiço da mãe, da barriga e do irmãozinho.

Tenho plena consciência de que existem histórias maternas muito mais sofridas. Vi muitas perdas, bebês que não conseguiram, mamães que saíram definitivamente sem seus bebês, mamães que terão anos de batalha pelo bem viver de seus filhotes pela frente. Acho que divulgar “finais” felizes pode ser um bálsamo àqueles pais, que, como nós, se vêem num labirinto sem esperança de um dia achar a saída. E seguimos em frente com a nossa eterna Pequena Guerreira.



Leia as partes 1 e 2:

Parte 1: http://www.projetopequenosguerreiros.com/2011/05/prematuro-luta-pela-vida-historia-da.html


Parte 2: http://www.projetopequenosguerreiros.com/2011/05/prematuro-luta-pela-vida-historia-da_17.htm

20 comentários:

  1. Parabéns pelo seus dois aninhos Beatriz!!!
    Vc é uma pequena guerreirinha e sua historia me anima a continuar e seguir com esperança!!
    Beijos e obrigada!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns Bia! Você merece toda felicidade do mundo. Lutou muito quando muito pequenina...e surpreendeu muita gente.
    A tia Grasi está com saudades de vocês.
    Aproveite seu dia junto aos seus pais que te amam muito!
    Bjos

    ResponderExcluir
  3. Opa, me passei no aniver da Bia.

    Parabens querida gorducha por mais uma ano e vida, nos que sabemos da tua historia, sabemos que celebrar mais um ano de vida eh um privilegio que nao pode ser ignorado.

    Muita saude hoje e sempre,

    Beijos da Rita e da Bella
    www.botoezinhos.com

    ResponderExcluir
  4. Que linda história! Eu tb ando meio assim, se pudesse fazer tudo não deixava ninguém tocar nas minhas bebês. Alias, só deixo o estritamente necessário.
    bjs

    ResponderExcluir
  5. Me identifiquei muito com sua história, me cahmo Mariana e moro em Natal- RN tive gêmeas de 28 sem a 1ª, Valentina(1065kg) saiu com 57 dias de uti a 2ª, Gabriela(840g) saiu com 82 dias, no dia da alta fui dar vacina rotavirus no próprio hospital, e então Gabi se engasgou ficando cianótica, sai correndo com ela nos braços, foi aspirada obteve suporte de o2 e teve que ficar em observação por mais 5 dias, fez eco e nada, exames de sangue e nada Ufa q angústia... Apenas um refluxo tivemos alta ontem após 82 dias de uti. Muita saúde!

    ResponderExcluir
  6. A sua história fez com que meu desespero diminuísse um pouco, eu e minhas amigas, outras mães de UTI, sofremos muito com essas intercorrências, sofremos mesmo, e graças a você, sua força de vontade de criar essa pág., fortalecemos um pouco. Muito obrigda. O me bebê nasceu de 27 semanas e está internada em BH, espero poder contar minha história aqui também...Juliana, Carangola.

    ResponderExcluir
  7. sua historia é linda!!! parabéns pela sua guerreirinha ^^
    te admiro

    ResponderExcluir
  8. Chorei como criança com esse depoimento, Monica.Exatamente tudo que estou passando com a Alice na UTI, nascida com 25 semanas e já a 52 dias no hospital, as vezes desesperador, as vezes uma felicidade imensa por uma evolução e acreditando e esperando ansiosamente no momento dela vir pra casa. obrigada por esse blog que eu consulto todos os dias pra poder estar mais pertinho dela...

    ResponderExcluir
  9. A VIDA E MUITO ENGRAÇADA A GENTE PENSA QUE NOSSO PROBLEMA E MAIOR QUE TODOS. SOU MAMAE DE UMA PREMATURINHA DE 29 SEMANAS QUE TEVE ESSE MESMO PROBLEMA QUE A PEQUENA BEATRIZ.MAS TENHO MUITA FE EM DEUS, ANTES DE SER MINHA FILHA ELA E FILHA DE DEUS. TEM COISAS NA VIDA QUE NOS ACONTECE QUE NAO TEM EXPLICAÇAO. SO TEMOS QUE COMPREENDER. SO TEMOS QUE AGRADECER PELO MILAGRE. QUE A PAZ DE DEUS ESTEJA SEMPRE COM TODOS BJS

    ResponderExcluir
  10. Parabéns, Mônica! A história da Beatriz é muito emocionante, a maior prova que Deus existe e, quando Ele quer, nada é impossível!!!
    A minha Beatriz também foi prematura, passei por muitas coisas que você contou... No entanto, ela nasceu com 1,100kg, 30 semanas e hoje está com um ano e meio, linda, esperta e até na Escola :)
    Um beijo e que sua família continue sendo abençoada sempre!

    ResponderExcluir
  11. Sua história é linda! Também tenho meu prematuro e me identifiquei muito com vários trechos do seu texto... Você está de parabéns pela iniciativa, o blog está muito legal! E mais de parabéns ainda pela sua filha que é linda e uma princesa! Beijos, Paula

    ResponderExcluir
  12. Boa tarde, no momento estou no hospital acompanhando o meu filho que nasceu prematuro de 7 meses. Hoje são 30 dias de UTI. Hoje fui informada que ele está com broncodisplasia, mais uma batalha pela frente. No momento trata uma infecção no sangue, está no 2º antibiótico, está entubado e faz, também, tratamento para fungos. Hoje foi um dia que chorei muito, às vezes é difícil segurar a dor e a insegurança. O meu pequeno guerreiro se chama Davi e está lutando pela vida. Rezo todos os dias e peço a Deus a Graça de ele se desenvolver e ir morar na minha casa comigo e com meu marido. Nesse blog encontrei forças para continuar a minha luta de mãe!!! Obrigada pelo espaço de força e desabafo.

    ResponderExcluir
  13. Parabéns pela iniciativa Mônica, história linda!! Sou mãe de duas Princesinhas Gêmeas, que nasceram de 26 semanas e 6 dias, com 875g e 950g, identifiquei-me muito com a sua história e é muito bom ver que tudo passou e deu certo!! Obrigada!!

    ResponderExcluir
  14. Ao ler sua história chorei sem parar a cada linha, hoje faz 6 dias que minha Bianca nasceu, com 27 semanas, 915 gramas iniciais e hoje desinchada 770 grs, com 33 centímetros, estou DESESPERADA, nunca antes havia passado por isso, tive 3 filhas lindas nascidas no tempo certo e sem complicações, mas essa gestação eu não fui até o final, estou só no começo eu sei, mas me sinto confiante e ao mesmo tempo temerosa, não importa qtos dias ficarei na UTI só quero sair de la com a Bianca nos braços, ela é tão pequenininha!!! Estou sofrendo muito, muito mesmo, mas sei que vou conseguir!!!

    ResponderExcluir
  15. Que história linda e vitoriosa gracas a Deus!!! Estou atualmente de 26 semanas. Tenho o cólo do útero curto e a chance de prematuridade é de 75%. Fui afastada do trabalho e tenho que fazer repouso pra segurar aqui o meu Thiago. Tenho muito medo, mas tenho muita fé. Quanto mais eu conseguir segurar ele aqui melhor!!!
    Parabéns pela saúde da sua filha...pela história.... E Deus abençoe todas as mamães que passam por aqui...bjs

    ResponderExcluir
  16. História linda, chorei muito. Tive um bebê prematuro de 24 semanas que não resistiu à UTI. Hoje, estou grávida de 23 semanas, cerclada e de repouso, passando proximo a semana da perda e a cabeça dá uma pirada mas a fé é inabalável! Dessa vez vai dar certo! Parabéns pelo blog, pela garra e força. Sua filha é uma boneca lindaaaaaa!!!!

    ResponderExcluir
  17. parabéns por ter acreditado em anjos pois eles realmente existem eu passei pelo mesmo problema que o seu eu tive gêmeos em janeiro de 2015 e um deles teve problema respiratório mas ficou 6 dias na uti e logo depois foi para o neo natal para pegar peso mas o hospital onde tive eles dexou a desejar em matéria de atendimento vi meu filho ficar roxo np berço só uma vez quando tinha acabado de chegar da alta do neo natal e foi pro quarto comigo foi poucos minutos que ele pode ficar comigo logo que ficou roxo teve que voltar para a incubadora novamente e dai passei mais 28 dias com ele na incubadora e o outro irmão dele comigo no quarto eu ia vê-lo sempre que podia pois precisava amamentar o outro antes de ir tentar tirar um pouco de leite pro outro foram 60 dias de muito sofrimento pois ninguem sabia me dizer o que realmente meu filho tinha pois ficava sempre com o olhar parado e não respondia a nenhum tipo de movimento que fosse feito com ele comçei a pirar dentro daquele hospital ai as coisas começaram a andar me disseram então que ele tomava um anticonvulsivo devido as crises de convulsão que ele teve ainda na uti mas mesmo assim não souberam me informar o porque das crises pedi então que dessem alta para meu filho eu iria buscar o tratamento dele em outro lugar e assim foi feito hoje ele tem 1 ano e 4 meses ainda não anda e não senta faço fisioterapia duas vezes por semana nele e ele ainda faz o uso do gardenal para evitar as crises de convulsão mas tenho fé e vou ver o meu pequenino logo logo andando e fazendo muita bagunça com seu outro irmãozinho mas hoje só em vê-lo comigo me sinto realizada e o resto eu corro atrás cada evolução dele me deixa super feliz em vê-lo bem agradeço a deus todos os dias por ter me dado esses tesouros valiosíssimos pra mim.

    ResponderExcluir
  18. Linda sua atitude de compartilhar os sentimentos...acabei de passar porvtudo isso. Cheguei em casa há poucos dias e me sinto perdida sem a uti, me sinto também impotente e incompetente porque não consegui levar a gestação a termo, também entrei em trabalho de parto prematuro, isso foi estabilizado mas daí veio uma pré - e lâmpada e com isso, o Leo nasceu antes. Tantos planos, tão esperado e desejado, e de um minuto para o outro vi tudo cair por terra, mas Deus é maravilhoso e nos dá forças e também acaba nos entregando nossos guerreirinhos.

    ResponderExcluir
  19. Linda sua atitude de compartilhar os sentimentos...acabei de passar porvtudo isso. Cheguei em casa há poucos dias e me sinto perdida sem a uti, me sinto também impotente e incompetente porque não consegui levar a gestação a termo, também entrei em trabalho de parto prematuro, isso foi estabilizado mas daí veio uma pré - e lâmpada e com isso, o Leo nasceu antes. Tantos planos, tão esperado e desejado, e de um minuto para o outro vi tudo cair por terra, mas Deus é maravilhoso e nos dá forças e também acaba nos entregando nossos guerreirinhos.

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...